Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
 

Presidente da Agespisa visita obras do sistema de esgotamento sanitário de Amarante nesta sexta (22)

Você está em: Home > Presidente da Agespisa visita obras do sistema de esgotamento sanitário de Amarante nesta sexta (22)
Governo Estado

Presidente da Agespisa visita obras do sistema de esgotamento sanitário de Amarante nesta sexta (22)

22.09.2017 | Postado por: | 0 Comentários

 


A Agespisa já executou 95% da obra de implantação do sistema de esgotamento sanitário da cidade de Amarante, localizada a 162 quilômetros de Teresina. O investimento é de R$ 16 milhões, com recursos da Companhia do Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), que vai beneficiar diretamente cerca de 12 mil pessoas.


A obra inclui a implantação de 43 quilômetros de rede coletora de esgoto e 2.383 ligações domiciliares. A cidade contará com uma estação de tratamento de esgoto com capacidade para tratar 18,43 litros por segundo.


x


A ETE abrange duas lagoas anaeróbias, uma facultativa e uma de maturação. O sistema conta também com oito estações elevatórias de esgoto, cuja função é bombear o fluxo para um nível mais elevado.


“Com a conclusão dos serviços, 70% da cidade de Amarante contará com cobertura de esgotamento sanitário. A previsão é de que em janeiro de 2018, todo o sistema esteja finalizado para beneficiar milhares de moradores”, destaca o presidente da Agespisa, Emanuel Bonfim, que acompanha, nesta sexta-feira (22), o andamento da obra, acompanhado pelo presidente do Instituto de Águas e Esgotos do Piauí, Francisco Costa, e de técnicos da companhia.


Lagoas de estabilização


Com os três tipos de lagoas de estabilização que integram a ETE de Amarante, a Agespisa garante um tratamento adequado dos efluentes, por meio de processos químicos e biológicos. O objetivo é reter a matéria orgânica e gerar água com qualidade, apta para retornar ao meio ambiente.


Por meio de duas lagoas anaeróbias, o material orgânico será decomposto abaixo da superfície, sem contato com o ar. Já na lagoa facultativa, o depósito de lodo no fundo facilita a decomposição anaeróbia (sem oxigenação), mas também ocorre a redução fotossintética e a oxidação aeróbia (com oxigenação). Por fim, as de maturação auxiliam na remoção de micro-organismos causadores de doenças com a ajuda dos raios ultravioletas emitidos pelo sol.


Autoria: Afonso Rodrigues


 


Compartilhe:

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Enviar comentário

Parceiros